USF – Unidades de Saúde da Família fechadas em Paulista/PE dificulta acesso a imunização

Última atualização:

Nesta terça-feira (9), data em que é lembrado o Dia Mundial da Imunização, chamamos atenção para a importância da vacinação. Mesmo com a pandemia do coronavírus ainda em curso em Paulista/PE e no Brasil, o que nos obriga a manter o isolamento social, a imunização é um dos poucos motivos plausíveis para sair de casa.

A imunização no Brasil faz parte do Sistema Único de Saúde (SUS) e é um serviço gratuito oferecido indistintamente pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) às pessoas que se encontram em território nacional. Todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) estão disponíveis e são seguras e eficazes.

Em Paulista/PE o fechamento de 15 Unidades de Saúde da Família (USF) dificulta o acesso à vacinação. Isso porque a estratégia de imunização faz parte da Atenção Primária à saúde nos municípios, que atende a população nos postos presentes nos bairros. Ainda que o isolamento social reduza a exposição das pessoas aos vírus e consequentemente diminua a transmissão, a vacinação é essencial para a prevenção de outras doenças consideradas controladas.

Em nota, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), afirmou que queda na procura pelas vacinas, principalmente para as crianças pode impactar nas coberturas vacinais e colocar em risco a saúde de todos. Estima-se que mais de 117 milhões de crianças no mundo vão ficar sem vacina de sarampo por causa do cenário da pandemia e de questões de estrutura.

A situação preocupa também porque em processos epidêmicos que ocorreram em outros lugares do mundo, observou-se um aumento de óbitos por outros patógenos. É o caso do surto do ebola em países da África Ocidental em 2013, por exemplo, em que mais mortes foram motivadas por outras doenças do que pelo próprio vírus.

A necessidade de prorrogar a campanha de vacinação contra a gripe é um reflexo da baixa procura e da dificuldade das gestões de chegarem à população diante das condições atípicas da pandemia. Em razão disso, o Governo Federal decidiu estender o prazo até o dia 30 de junho.

“É importante que a gente não se descuide, existem outras doenças que podem colocar a vida das pessoas, principalmente os grupos mais vulneráveis, em risco. Nesse caso, sair de casa para se vacinar, com todo o cuidado possível, lógico, também é se proteger e proteger os outros”, disse o pré-candidato a prefeito de Paulista/PE Fábio Barros.

O SBP e a SBIm recomendam ainda que as pessoas mantenham atualizados o calendário vacinal, procurando visitar a unidade de saúde mais perto de suas residências e em horários menos concorridos. A vacinação em ambientes como escolas, clubes e igrejas, áreas ociosas neste momento, deve ser estimulada.

Uma estratégia de distanciamento de idosos e outros grupos de risco deve ser desenvolvido pelas Secretarias de Saúde, além de estabelecer horários diferentes para a imunização de crianças e adolescentes, por exemplo. Caso não seja possível ir até uma unidade de saúde, a vacinação domiciliar deve também ser considerada.