Uma história, muitas lutas: Elzita Santa Cruz

Última atualização:

Nesta sexta-feira dia 14 de outubro de 2011, a ativista política Elzita Santa Cruz completou 98 anos gloriosos de vida. Esta é uma longa história marcada por muitas lutas. Familiares e amigos se reuniram para prestigiar mais um ano de vida desta guerreira pernambucana. O vereador do Paulista, Fábio Barros, compareceu a comemoração, que aconteceu no Convento de Santa Tereza, em Olinda, onde o filho de Elzita e vereador do município, Marcelo Santa Cruz, recebeu os convidados com muita satisfação e alegria ao lado de sua família.

A trajetória de Elzita Santa Cruz

Elzita é de 1913, filha de senhor de engenho, sinhazinha pernambucana, primeira de cinco irmãos. Casada aos 20 anos, viu as ruínas do mundo ao ter seu primeiro marido ceifado pela tuberculose, oito meses depois do casamento. Oito anos depois, ela se casa com o médico Lincoln Santa Cruz e vai morar em Olinda, na beira do mar de testemunha de suas alegrias e taça de suas tristezas.
Foram dez seus filhos. Nos anos 60, a casa dos Santa Cruz, em Olinda, era lugar de encontro de jovens inquietos e inconformados com a realidade brasileira.

O golpe de 64 atingiu primeiro a seu filho Marcelo, que foi expulso da faculdade por causa do seu espírito crítico e combativo. Pouco depois, sua filha Rosalina e seu genro Geraldo foram presos e torturados no Rio de Janeiro.

Zita veio dar apoio aos filhos e aqui se inteirou das atrocidades do regime militar contra gente que ela tanto amava.

Dor mais cruel sofreu ao ter seu quinto filho, Fernando, preso e desaparecido, em 1974, aos 20 anos de idade. Com a prisão de Fernando, começou para Zita a via-crucis da inútil ida aos quartéis do Rio, de recife, de São Paulo, das intermináveis cartas sem respostas às autoridades civis e militares, das denúncias com risco da própria vida.

Junto a outras mães, na mesma situação de incerteza, lutou infatigavelmente na procura de esclarecimento definitivo da situação dos desaparecidos políticos no Brasil+ Brigou pela anistia e pela democratização do País.

Sem esmorecer, continua empenhada no esclarecimento definitivo da situação dos desaparecidos políticos no Brasil. Com a força de sempre, o gosto pela vida, combativa, avó de 28 netos, bisavó, na juventude de 81 anos, contamos com você, Zita, ao nosso lado, no longo percurso de liberdade.