Prefeitura de Paulista/PE precisa redobrar os cuidados com os doentes crônicos com Coronavírus

Prefeitura de Paulista/PE precisa redobrar os cuidados com os doentes crônicos com Coronavírus
Última atualização:

Assim como os idosos integram grupo de risco da Covid-19, os doentes crônicos também estão mais suscetíveis a desenvolver formas graves da doença. Pessoas com hipertensão arterial, diabetes doenças do coração, pulmão e rins, doenças neurológicas, em tratamento para câncer e portadores de imunossupressão, por exemplo, são as mais afetadas pelo coronavírus.

A razão da maior vulnerabilidade está no sistema imunológico, que, já fragilizado pelas doenças crônicas, não consegue desempenhar normalmente todo o potencial de defesa contra o vírus, impedindo que este evolua no organismo do indivíduo. Então, o que pode se manifestar, em pessoas saudáveis, por meio de sintomas de uma gripe, nestas pessoas, os doentes crônicos com coronavírus, é capaz de causar infecções graves no sistema respiratório e comprometer o funcionamento dos pulmões.

De acordo com estudo realizado em pessoas que contraíram o Covid-19 na cidade de Wuhan, onde foi deflagrada a epidemia, a hipertensão arterial é uma das comorbidades mais associadas às complicações fatais da doença. Na pesquisa, disponível no British Medical Journal (BMJ), foram avaliadas 113 pessoas que morreram e outras 161 que se recuperaram da infecção. Destes números, 48% dos falecidos tinha pressão alta, ante 24% que obtiveram a cura clínica. Pessoas com diabetes também apresentaram resultados expressivos no número de mortes divulgados no levantamento, 21%.

“Os doentes crônicos não devem ir às unidades de saúde, salvo em casos de extrema necessidade. A teleconsulta foi liberada pelo Conselho Federal de Medicina. O acompanhamento médico dessas pessoas deve ser feito por telefone, evitando-se o atendimento presencial. A prefeitura de Paulista/PE precisa criar uma estrutura para acompanhar esses pacientes e garantir um atendimento adequado em caso de necessidade”, disse o presidente da Câmara de Vereadores, Fábio Barros.

As medidas de prevenção da doença recomendadas a pessoas que fazem parte dos grupos de risco são as mesmas direcionadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ao público geral, mas, diante do perigo observado, precisam ser seguidas de maneira ainda mais estrita. A restrição de contato social é a principal delas. Assim, deve-se ficar em casa, evitar aglomerações e o contato com pessoas que manifestam sintomas semelhantes ao da gripe. Os cuidados de higiene também precisam fazer parte da rotina, lavar as mãos com água e sabão e evitar tocar o rosto.